4 de novembro de 2014

Do universo


E dos campos vastos e floridos
das canções
das vielas e das escadas monumentais
das corujas que resmungam
das torres e pontes
dos cafés e catedrais
tudo que é inconcebível diante das formas de amar
são essas as lembranças ancestrais
por séculos e séculos
a pergunta continua a mesma
é a sublime luz que se alterna
é o sol que queima a pele e destaca olhos misteriosos
de uma serena criança
é a paciência de uma sabia senhora
é o desespero do jovem cujo futuro é uma incógnita
é do sorriso intocável e das lágrimas corriqueiras
tudo é inconcebível diante das formas de amar