18 de setembro de 2015

Nostalgia

Dos olhos fardos, a última lágrima escorrendo
a boca que pronuncia seu último adeus
a lembrança do sorriso descrente
e das madrugadas relutantes em claro
o jardim verde na beira da estrada, tulipas e margaridas
lilás sempre foi minha cor favorita,
talvez, o desejo de resgatar os momentos de sol
nos cabelos desgrenhados, a brisa das manhãs
os abraços acolhedores e reconfortantes
talvez, a dor no peito arfante
o adeus das bocas úmidas, antes tão caladas
que agora murmuram, discretas, por eternidade.

Automat por Hopper

Do outro lado da rua, a fresta, o ruído
inofensivo olhar para um transeunte
jogo de sedução que se inicia no silêncio
na sutileza de uma solitária mulher em um café
de uma cidade inóspita.