28 de setembro de 2016

Talvez seja só silêncio

Só o amor ressuscita  
quando os olhos não alcançam a luz
quando o corpo exausto não encontra abrigo 
nos braços de ternura e alma parece definhar
quando os caminhos parecem indizíveis e a jornada intolerável
quando todos os gestos e sonhos
antes tão ávidos parecem superficiais
quando a beleza torna-se opressora
e nem o vinho e o sangue nas veias, bastam
só o amor ressuscita um coração cambaleante
ou talvez o silêncio. 

27 de setembro de 2016

Transparente escuridão

Nem lágrimas, nem flores, nem amores brutos
nem excessos, bebidas fortes e nem o alento do outono
céu e luar, despedidas dilacerantes
nada distraí essa monotonia do ritual dos dias 
ás vezes me deixo levar 
por alguma rua sem fim,
ás vezes me atiro de algum abismo, de um penhasco
na espera de que alguma coisa dentro de mim
renasça
e a coragem sempre me traí.